quinta-feira, 25 de agosto de 2011

A Maldição dos 27 anos


A precoce morte da cantora inglesa Amy Winehouse,  aumentou o número  de membros do site “Clube dos 27″ (ou 27 Club). 
O nome foi criado em alusão aos  músicos – a maioria de grupos de rock ou 
blues – que morreram  justamente aos
 27 anos de idade.



Os membros mais mencionados do Clube são Kurt Cobain, vocalista, compositor e guitarrista do Nirvana; a cantora Janis Joplin; o guitarrista Jimi Hendrix, Jim Morrison, vocalista do The Doors; e Brian Jones, guitarrista dos Rolling Stones. Entretanto, existem outros músicos importantes que também morreram aos 27 e nem sempre são lembrados.

A coincidência é forte, teorias conspiratórias, se é verdade ou mentira o fato é que são histórias mórbidas do universo do rock. Na lista entre os mais famosos estão o bluesman Robert Johnson, o guitarrista dos Stones Brian Jones; o gênio Jimi Hendrix e a incompreendida Janis Joplin; o rei camaleão Jim Morrison e o anti- herói grunge Kurt Cobain.

jimi hendrix 06


Jim Morrison  1943-1970
Foi encontrado morto na banheira de um apartamento em Paris, existe uma versão que ele tinha cheirado uma potente heroína puríssima que sua namorada viciada havia comprado. A Cia também entra na jogada como uma grande suspeita de ter eliminado Jim pelo fato na época dele ter sido uma grande influência para os jovens americanos.
janisjoplin 02
Janis Joplin 1943-1970
Morreu sozinha num quarto de hotel depois de vários drinques, experimentou a heroína que havia comprado, mas seu amigo químico não estava de plantão, ele sempre testava a pureza da droga. Ela mandou para suas veias grande quantidade de heroína, 50% pura. A Cia é também suspeita da morte dela pelo fato dela ser bissexual, e era contra o establishment principalmente no quesito da sexualidade.
kurtcobain03
Kurt Cobain 1967-1994
Personalidade confusa conturbada fez de Kurt um cara suicida, existe grandes lendas que sua mulher Courtney Love teria mandando matar o ícone grunge, o fato é que ele já tinha uma grande tendência de autodestruição, a heroína encontrada no sangue de Kurt era suficiente para matar 10 homens, e esse fato levantado por Nick Broomfield deixa dúvidas no ar, será que Kurt com toda essa dose da droga ainda conseguiria manejar uma espingarda? Love nunca foi investigada a sério.
robert johnson 04
Robert Johnson 1911-1938
O Bluesman morreu vítima de pneumonia, causada por sífilis fulminante. Mas a morte também foi relacionada com um assassinato.Robert era mulherengo, a grande suspeita de um possível assassinato que pode ter sido encomendada por um marido enganado por umas das mulheres que Robert pegava.
jimi hendrix 06


Jimi Hendrix 1942-1969

Hendrix morto depois de inserir cápsulas com anfetaminas e sedativos, também cheirou LSD em pó. Durante o sono foi sufocado pelo seu próprio vomito, Hendrix foi socorrido tarde de mais, e a Cia também entra como suspeita na morte dele, porque Jimi estaria envolvido em movimentos black do EUA .

Noel Rosa 1910-1937
faleceu em sua casa no bairro de Vila Isabel no ano de 1937, aos 27 anos, em consequência da doença que o perseguia desde sempre (tuberculose).

 
Fats Navarro 1923-1950

Filho de cubano com chinesa, morreu tuberculoso e viciado em heroína
Nick Drake.JPG
Nick Drake 1948-1974
No inquérito de morte, o investigador notificou "intoxicação aguda de amitriptilina auto-administrada quando sofria de uma doença depressiva", e concluiu o veredicto como suícidio, fato contestado por alguns membros de sua família.


Brian Jones 1942-1969
No final do filme Stoned, realizado em 2005, supõe-se que sua morte foi causada por Frank Thorogood, um dos empreiteiros que trabalhava em reformas na casa de Brian. Frank teria confessado o crime à sua filha, em 1993, quando estava em seu leito de morte. A história, entretanto, nunca foi confirmada e há quem duvide dessa versão.

Brian foi encontrado morto boiando na piscina em uma mansão de Londres. A causa da morte overdose seguida de afogamento, umas das suspeitas foi relacionada com seus companheiros de banda, liderado por Mick Jagger, suposto sumo-sacerdote da seita, satânica “Proscess Church of Final Judment” o sacrificariam em troca de sucesso eterno.


Alan Wilson 1943-1970
Wilson morreu de overdose de drogas, num aparente suicídio. Sua morte ainda é tema de controvérsia, pois os resultados da autópsia foram inconclusivos e ele não deixou nenhum bilhete.

Chris Bell 1951-1978
Chris Bell morreu em um acidente de automóvel em Memphis.

Leslie Harvey 1945-1972
Leslie morreu, eletrocutado ao tocar no cabo do microfone sem aterramento e com as mãos molhadas.

Ron McKernan 1945-1973
foi encontrado morto em sua casa vítima de hemorragia gastrointestinal.

Peter Ham 1947-1975
em problemas financeiros com sua gravadora. A situação é particularmente mais difícil para Ham, o mais afetado por esses embrólios. A situação fica insustentável quando Stan Polley foge com o dinheiro da banda. É demais para Ham que, sentindo-se culpado por ter colocado seus companheiros e sua família nessa situação, comete suicídio por enforcamento em 24 de abril de 1975, deixando sua namorada grávida.

Esses são alguns dos grandes talentos que curiosamente, perderam sua vida fatidicamente aos 27 anos de idade, existem outros que eu não coloquei na lista, mais o fato e que, eu particularmente acredito em maldicoes, e voce leitor? o que acha? teria sido isso apenas mera coicidencia, o fato e que tanta gente talentosa, perder a vida tão jovem jamais será encarado com algo natural.

e a fotos foram extraídas da Internet diversos blogs e sites.








sábado, 20 de agosto de 2011

Sobre as Mandragoras


Os feiticeiros da Idade Média acreditavam que as mandrágoras eram um tipo de meia-criatura entre o ser humano e o vegetal. Suas folhas reluziam à noite(por isso também eram conhecidas como velas do demônio) com um brilho estranho. Seus frutos e folhas exalavam um odor narcótico e sem igual. Sua raiz possuía a forma de uma pequena figura humana, com uma vida própria e esquisita, pronta para tornar-se o auxiliar de um mortal que tivesse coragem suficiente de tomar posse dela. 



Porém tomar posse de uma mandrágora era uma ousadia repleta de perigos, porque ao ser arrancada da terra, ela soltava um grito tão assustador que aquele que o ouvia ficava insano ou caia morto no mesmo lugar. Assim, o feiticeiro que desejava possuir uma mandrágora tinha que seguir um ritual no mínimo curioso: Ao encontrar a planta, que geralmente crescia aos pés de um local sobre o qual estavam os restos mortais de um criminoso condenado a forca(debaixo de uma árvore ou cadafalso por ex.), o feiticeiro teria que ir buscá-la ao pôr-do-sol.







Sob os raios da luz do sol se pondo, ele tinha que desenhar três círculos ao redor da planta, tampava seus ouvidos com cera e se colocava contra o vento, para não sentir o odor narcótico da mandrágora. Ele levava consigo um cachorro faminto e algum tipo de alimento, com o qual o cachorro poderia ser seduzido. Com uma barra de marfim ele soltava a terra ao redor da planta e cuidadosamente amarrava o cachorro a mesma, se afastava e mostrava o alimento para o cachorro, que em seguida corria ao encontro da refeição e assim puxava a planta da terra. Ao passo em que a planta era arrancada do solo o feiticeiro soprava uma trombeta o mais alto possível, para abafar o grito da mandrágora. O Cachorro, acreditavam, morria ali mesmo. 





Assim, tendo conseguido arrancar a planta sinistra da terra, o feiticeiro envolvia-a em um pedaço de linho branco e poderia assim apressar-se pela escuridão que se formava tendo em mãos seu merecido prêmio. Depois de colhida, separavam-se a raiz das folhas e de acordo com o propósito, eram manipuladas e ou consagradas em diferentes rituais para que determinado espírito possuísse a raiz assumindo assim o papel de auxiliar magístico de seu dono. Os cuidados com as mandrágoras variavam de acordo com o propósito ao qual elas serviriam, as mais cabulosas necessitavam de alimentar-se com leite, mel e sangue(do seu próprio dono), algumas eram vestidas com pequenas túnicas vermelhas com símbolos mágicos desenhados e, basicamente todas deveriam ser guardadas numa caixa envolta em seda e banhada quatro vezes ao ano com vinho. O liquido que sobrava após o banho possuía virtudes mágicas e poderia ser utilizados em feitiços. Tantos mistérios rondam esta planta que mesmo nos dias atuais muitos a temem, muitos a desejam e poucos atrevem-se a arrancá-la do solo. São tantas lendas que a envolvem que as pessoas até duvidam de sua real existência. Mas não tenham dúvidas, esta planta escrota do capeta de fato existe.




 



 A verdadeira mandrágora, Atropa Mandrágora Officinarum, pertence a ordem de plantas Solanaceae, uma ordem muito conhecida entre as bruxas, feiticeiros, magos , xamãs, alquimistas e velhos hippies malucos. Desta mesma ordem também estão o Meimendro, a Dulcamara, o Estramônio e a Trombeteira (Aquela mesma da música do Ventania, da qual se faz um chá muito louco), todas com uma fama sinistra. Por mais fantásticas que algumas histórias possam parecer, algumas destas antigas crenças sobre as mandrágoras são baseadas em fatos. A planta possui realmente uma raiz grande e gorda, que traz uma grosseira semelhança com a forma humana. Ela sem dúvida possui um perfume estranho, que alguns apreciam e outros detestam, e certamente ela possui propriedades narcóticas, alucinógenas, afrodisíacas e analgésicas. Na verdade a mandrágora é provavelmente o anestésico mais antigo utilizado pelo homem. 





 


Nos tempos mais remotos, a raiz era utilizada para colocar os pacientes prestes a passar por uma cirurgia em estado de sono profundo, durante o qual as operações poderiam ser realizadas. A raiz era infundida ou fervida e um pouco era dado para o paciente beber, entretanto, tomava-se certos cuidados quanto à dose, porque quando usada em excesso poderia causar um sono do qual não se acordava mais. Outras vezes era usada apenas umedecendo um tecido para ser ministrada externamente. A crença de que a mandrágora brilha a noite tem uma base de fato. Por alguma razão suas folhas atraem os vaga-lumes, e são essas pequenas criaturas, cuja luminescência esverdeada é muito impressionante, que fazem a planta brilhar na escuridão. Qualquer desavisado certamente poderia sentir-se assustado com a aparência da planta no escuro e achar que as antigas lendas sobre seus poderes diabólicos eram verdadeiras. Até mesmo o grito temeroso pode ter ao menos um pouco de verdade de onde a lenda foi ganhando mais força. Essas plantas com raízes grandes e encorpadas geralmente crescem em lugares úmidos e quando são arrancadas da terra, soltam um ruído gritante (Claro que não tão alto quanto diziam). As lendas de pessoas que endoideciam têm mais a ver com o odor narcótico exalado pelas folhas na hora de arrancá-las do que com o ruído em si. Imaginem o sujeito já doidão com o cheiro da planta arrancando uma raiz que lembra um ser humano e que ainda grita. Quem consegue imaginar a cena também pode imaginar o que este mesmo sujeito poderia sair falando dessa situação.E claro, todos sabemos que "quem conta um conto aumenta um ponto". Naturalmente todos os detalhes horrendos da lenda da mandrágora foram mantidos vivos por aqueles que vendiam as mandrágoras. As pessoas pagavam quantias exorbitantes por uma mandrágora em bom estado e com forma humana, e as guardavam como importantes talismãs. Muitos picaretas esculpiam em raízes formas humanas e vendiam como mandrágoras originais. Um antigo livro intitulado Thousand Notable, descreve passo a passo como fazer sua mandrágora falsa. Mas nem todos preparavam as raízes apenas para vender e obter lucros, algumas tradições antigas de magos, alquimistas, bruxas e xamãs preparavam suas mandrágoras cuidadosamente e acreditavam de fato que elas poderiam abrigar um determinado espírito ou ter algum poder magístico, que os auxiliariam em suas práticas e rituais.Eram colhidas geralmente em noites de lua cheia sob a realização de alguma cerimônia ou ritual. Algumas tradições secavam lentamente a raiz em forma de homem em fogueiras ou em areia quente, o Balneum Arenae dos alquimistas.(Dai uma das origens da lenda do Homúnculo) 
 


As mandrágoras secas e já consagradas (ou supostamente possuídas por algum espírito) eram passadas como relíquias ou amuletos aos membros de diferentes gerações de um determinado grupo ou família, sempre de forma secreta, principalmente na idade média, pois, adivinhem só o que acontecia quando os inquisidores achavam um bonequinho bizarro desses em sua casa? A planta é citada na Bíblia em Gênesis na história de Lea 30:14 e também em Cantares de Salomão 7:13, só histórias estranhas. Também citada por Shakespeare em Romeu e Julieta. Acredita-se que o remédio que julieta usou para fingir estar morta tenha sido extraído de uma mandrágora. Muitos escritores flertaram com as lendas e as propriedades secretas das mandrágoras. É o caso por ex. de Platão em A República, Madame Blavatsk em A Doutrina Secreta, Maquiavel em A Mandrágora e Hans Heinz Ewers em Alraune( que significa mandrágora em alemão). Hoje em dia ela ainda é usada como amuletos de sorte, prosperidade e proteção, é usada com fins magísticos e afrodisíacos, usadas também em doses seguras na fabricação de remédios homeopáticos e também usadas por algumas pessoas como droga recreativa. Podemos ver a caricatura desses homenzinhos estranhos em diversos filmes,livros jogos e desenhos. Como no filme de Guillermo Del Toro, O Labirinto de Fauno, no jogo de MMORPG Ragnarok e até mesmo nas histórias infantis de Harry Potter. 





Existem coisas que o tempo não consegue apagar da memória das civilizações. São as lendas, os mitos, os símbolos, as tradições e tantas outras coisas significativas que compõe nosso Inconsciente Coletivo. E acreditem, isso tem um bom motivo.

sábado, 13 de agosto de 2011

Auschwitz, uma viagem pelo mais tenebroso dos "Patrimônios da Humanidade"


É surpreendente saber que as ruínas dos Campos de Extermínio de 
Auschwitz-Birkenau, no interior da Polônia, sejam considerados 
desde 2002 pela UNESCO como Patrimônios da Humanidade. 
Porém, o que a princípio pode até parecer ofensivo a todas as 
vítimas do Holocausto, adquire sentido após uma visita.


É simplesmente impossível esquecer do que é visto e sentido em 
Auschwitz, e mais de 65 anos depois de descoberta a amplitude da 
tragédia que se abateu sobre os judeus, ciganos e outras minorias nos 
países ocupados pela Alemanha Nazista, uma visita a este que é um 
dos lugares mais pavorosos do planeta nos lembra do estrago que 
pode ser feito pela intolerância, alimentada por políticos mal-intencionados, aproveitando-se de uma situação econômica e social caótica. 


Localizado a aproximadamente 60 km da cidade de Cracóvia (Kraków), 
segunda maior da Polônia, estima-se que mais de um milhão de Judeus, 
Ciganos e membros de outras minorias tenham sido 
exterminadas nos campos de Auschwitz entre 1940 e 1945, 
quando foram ocupados pelo Exército Soviético.


Auschwitz I - Campo original usado como centro administrativo do 
complexo, além de aprisionar intelectuais e membros da resistência 
polonesa, bem como prisioneiros de guerra soviéticos. 
Neste campo morreram perto de 70.000 pessoas.

Auschwitz II - Campo para onde eram levados os judeus, ciganos, 
homossexuais, no que era chamado pelos nazistas de "Solução Final". 
Era neste campo que estavam as Câmaras de Gás, e Joseph Mengele 
escolhia suas "cobaias", para mostrar que em Auschwitz, a morte nem 
sempre era a pior alternativa. 
Foi aqui que mais de um milhão de judeus foram exterminados.

Auschwitz III - Campo de trabalhos forçados nas fábricas da indústria bélica 
alemã.

O que mais impressiona são os requintes de ironia e premeditação mórbida 
encontrados numa visita ao que é considerado o mais tétrico de todos os 
museus do planeta. O maior exemplo é a inscrição 
no portão de entrada de Auschwitz I, "Arbeit Macht Frei", cuja tradução é 
"O trabalho liberta".

"Arbeit Macht Frei" (O trabalho liberta)
Mais uma pitada de ironia: 
Os prisioneiros saíam toda manhã para 
os trabalhos forçados ao som de uma orquestra 
formada pelos próprios colegas.

Fique agora com as fortes imagens do que restou do Complexo 
de Auschwitz-Birkenau, onde os prisioneiros chegavam em 
vagões superlotados, e eram conduzidos para salas de banho 
que na verdade eram Câmaras de Gás, numa operação logística 
friamente calculada e controlada.

 Maquete da estrutura de Câmaras de Gás e Crematórios 
no Museu de Auschwitz


Os prisioneiros, que não sabiam que seriam executados, eram 
orientados a despir-se e deixar seus pertences em uma sala, onde 
eram fornecidas senhas das quais deveriam se lembrar para recuperar
os objetos. O pretexto era de que iriam para uma área de 
duchas e desinfecção. Na verdade, eram 
trancados em salas e mortos com o gás ZyKlon B.


Cercas eletrificadas ao redor dos campos
A desnutrição era tal que os prisioneiros sequer tinham forças 
para tentativas de fuga

Entre 1940 e 1945 poucos que passaram por estes portões sobreviveram


Vagão que trazia prisioneiros diretamente para Auschwitz, 
ponto final do ramal ferroviário que nenhum passageiro gostaria de t
er utilizado 




Muitos visitantes deixam suas homenagens em diversos locais do campo


No museu, são mostrados os pertences dos prisioneiros executados 
no campo, que eram separados e catalogados metodicamente pelos nazistas. 
Ver todos aqueles objetos que fizeram parte da vida de pessoas que
chegaram a Auschwitz talvez seja um dos momentos mais apavorantes da visita.


Malas


Sapatos


Próteses e Muletas


Canecas e Vasilhas


Óculos


Auschwitz está lá para incomodar, para servir como um 
"Monumento à Estupidez Humana"






"Que este lugar seja para sempre um grito desesperado para a humanidade, 
onde nazistas assassinaram entre um milhão e um milhão e meio 
de homens, mulheres e crianças, principalmente judeus, 
de vários países da Europa"


Auschwitz-Birkenau
1940-1945


Mais sobre esta página negra da história da humanidade em...


Grande parte das fotos deste post estão em um fantástico Thread do site Skyscraper 
sobre as cidades de Cracóvia, Auschwitz e Birkenau


Read more: RIOBLOG: Auschwitz, uma viagem pelo mais tenebroso dos "Patrimônios da Humanidade" http://the-rioblog.blogspot.com/2011/05/auschwitz-uma-viagem-pelo-mais.html#ixzz1UvGqAIzN